Áreas de Diagnóstico

Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+

OSE-Area-Lideranca-Estrategica

A liderança estratégica traduz-se no compromisso que a empresa assume com a sustentabilidade. Este compromisso está relacionado com a definição de prioridades estratégicas a vários níveis, nomeadamente: investimento e competitividade a longo prazo, atitude e responsabilidade ambiental e social, transparência, abertura à comunidade, envolvimento das partes interessadas e realização de parcerias com a comunidade. Esta área de diagnóstico avalia o envolvimento dos diferentes grupos de gestão da empresa com o compromisso com o desenvolvimento sustentável e a integração das políticas social e ambiental nos processos de planeamento e gestão e, consequentemente, nos objetivos estratégicos da empresa. Avalia também a preparação do modelo de liderança perante os grandes desafios da sustentabilidade, nomeadamente, alterações climáticas, escassez de matérias-primas, secas e inundações, pobreza ou envelhecimento das populações. A adoção de metas de sustentabilidade no processo de decisão estratégica também é alvo desta análise, como por exemplo, projetos para reduzir as emissões de CO2 em 30% até 2020, seleção exclusiva de fornecedores com estratégias de sustentabilidade idênticas às da empresa até 2020 ou contribuição de 10% dos lucros para a comunidade local. Por fim, a liderança estratégica inclui também o estudo sobre a integração das metas de sustentabilidade na medição do sucesso do negócio e a avaliação do retorno dos investimentos realizados com objetivos ambientais e sociais.

OSE-Area-Capital-Humano
[wpanchor id=”capital”] Capital humano engloba a forma como a empresa entende, desenvolve, investe, detém e mede a capacitação, talento, aptidões, competências, comportamentos e atitudes de todas as pessoas envolvidas na sua cadeia de valor. Esta análise requer uma aposta na gestão dos recursos humanos, investimento na relação, atenção aos colaboradores, fornecedores, clientes e/ou consumidores e auscultação da sociedade e da(s) comunidade(s). Todos estes fatores contribuem em larga escala para a produtividade, competitividade e desenvolvimento das mais-valias estratégicas da empresa. Para o International Integrated Reporting Council (IIRC) o Capital Humano é um dos elementos base na criação de valor das empresas. Esta área de diagnóstico abrange a avaliação de várias ações, nomeadamente, se a sustentabilidade integra a descrição de funções dos postos de trabalho, se há aposta pelo desenvolvimento de competências relacionadas com a sustentabilidade, a proporção entre volume salarial e cargos de gestão e direção desempenhados por homens e mulheres e a conciliação entre vida profissional e familiar. Questões como a saúde e segurança no trabalho, o mapeamento das necessidades de competências técnicas, o estímulo à criatividade e à mudança, a comunicação da sustentabilidade e a implementação de programas para o desenvolvimento das comunidades locais, também são avaliadas neste tópico.

OSE-Area-Consumo-Sustentavel

A produção e o consumo sustentável, assim como a capacidade de garantir a satisfação do cliente, estão assentes num conjunto de razões económicas, sociais e ambientais de política empresarial, expressas na eficiência sobre o consumo de recursos naturais e geração de desperdício, eficiência económica e a criação de novos comportamentos e hábitos de consumo mais sustentáveis. Esta área de diagnóstico diz respeito às ações de produção sustentável realizadas pela empresa, nomeadamente, projetos de desenho de novos produtos ou serviços ambiental e socialmente mais responsáveis, aposta pelas tecnologias limpas, estudos de análise do ciclo de vida e da ecoeficiência dos principais produtos e serviços ou a implementação de sistemas de monitorização com metas específicas de redução de resíduos reutilizados, reciclados e valorizados. Também as ações de consumo sustentável realizadas pela empresa junto de fornecedores e clientes/consumidores são avaliadas. No que concerne a fornecedores, a análise recai sobre vários aspetos, entre eles, a seleção de fornecedores com base em critérios ambientais e boas práticas, a formação sobre práticas sustentáveis e as compras de matérias-primas e produtos cuja produção é sustentável e certificada. Em relação aos clientes/consumidores, é avaliada a contribuição da empresa para a sensibilização para o consumo sustentável, as práticas usadas para avaliar e manter a satisfação dos clientes, a atualização dos materiais de comunicação – rótulos, embalagens, manuais, instruções de uso ou termos de garantia – e a divulgação de informação sobre alterações às características dos produtos ou serviços, como a composição, qualidade, prazos, peso ou preço.

OSE-Area-Energia-Clima

A energia e o clima integram todas as dimensões de sustentabilidade. A monitorização do consumo de energia e da emissão de gases com efeito de estufa permite avaliar as políticas da empresa relativas ao consumo de recursos energéticos, à contribuição para as medidas de mitigação das alterações climáticas, às opções por novos modos e estilos de vida ou às soluções de bem-estar, saudáveis e éticas. Nesta área de diagnóstico é avaliada a definição de objetivos e metas para a redução do consumo de energia, a identificação de riscos e oportunidades associadas às alterações climáticas, a integração das alterações climáticas na estratégia da empresa, as ações voluntárias no âmbito do combate às alterações climáticas e a respetiva comunicação destas ações.

OSE-Area-Biodiversidade

Qualquer atividade económica depende direta ou indiretamente de recursos naturais, da biodiversidade e de outros serviços dos ecossistemas. O modo como a empresa reconhece e integra a biodiversidade e os serviços prestados direta ou indiretamente pelos ecossistemas na estratégia de negócio, revela parte dos investimentos estratégicos da empresa. Revela também comportamentos éticos para com a comunidade, pelo acesso equitativo a recursos naturais e, acima de tudo, pela conservação da natureza. Esta área de diagnóstico analisa a forma como a empresa aborda a biodiversidade, o facto de a empresa avaliar os impactos das atividades, produtos e serviços sobre a biodiversidade e o desenvolvimento ou promoção de ações que apoiem a conservação/proteção e o uso racional dos recursos naturais, protegendo ou conservando a biodiversidade. Integram a análise também as relações, diretas ou indiretas, com os benefícios que se retiram (serviços) dos ecossistemas, o conhecimento dos impactes e dependências da atividade da empresa nos serviços de ecossistemas e o desenvolvimento de medidas de gestão que assegurem uma gestão sustentável dos recursos. Os riscos e oportunidades associados aos serviços dos ecossistemas com potencial para alterar as operações, receitas e despesas da empresa, os investimentos que promovem o bom funcionamento dos serviços dos ecossistemas e a divulgação das ações desenvolvidas nestas áreas, são também foco de avaliação desta área de diagnóstico.